Fisiculturismo
Seja bem vindo ao fórum do fisioculturismo, para poder ter acesso completo ao fórum e poder postar, terá de se registar.

Registe-se, ajudando desta forma a dar visibilidade a este fórum e se possível apresente-se à comunidade.


Glutamina - Tópico Informativo!

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Glutamina - Tópico Informativo!

Mensagem  slimbullet em Qua Mar 03, 2010 8:38 am

Glutamina - Este nutriente em especial é o mais abundante aminoácido existente no tecido muscular. Sua suplementação nos treinos aumenta a síntese protéica no músculo. Recomenda-se para atletas que treinam pesado e desejam o máximo em volumização celular. A glutamina também reduz o stress muscular e recupera as fibras rompidas durante o treinamento intensivo.

Maximiza a VOLUMIZAÇÃO muscular;
Ideal para atletas que TREINAM PESADOS;
Fundamental para o aumento da IMUNIDADE;
Indispensável nos ESTADOS CATABÓLICOS graves:
Overtraining Pós-operatório Infecção Trauma Queimaduras
Importante para a FUNÇÃO INTESINAL de absorção e defesa;
Sugerida no SUPORTE NUTRICIONAL de várias doenças;
PRODUTO ÉTICO: Indicado por nutricionistas e médicos;
Contém L-Glutamina cristalizada 100% PURA; ( grau farmacêutico )



O QUE É GLUTAMINA ?
O aminoácido glutamina é o mais abundante aminoácido de forma livre encontrado no tecido muscular. Além de atuar como nutriente (energético) às células imunológicas, a glutamina apresenta importante função anabólica promovendo o crescimento muscular. Este efeito pode estar associado à sua capacidade de captar água para o meio intracelular, o que estimula a síntese protéica.

Como outros aminoácidos, a glutamina desempenha um papel vital no metabolismo da proteína e na recuperação muscular. A glutamina não é somente utilizada pelo tecido muscular, mas também em grande quantidade pelo sistema imunológico e também pelo sistema digestivo. Durante períodos de treinamento intenso, os níveis deste aminoácido podem declinar e nosso corpo não é capaz de produzi-lo suficientemente. Isto pode resultar no esgotamento dos níveis de glutamina em nossos músculos e desta maneira causar avaria no músculo/tecido e na imunidade.

Por outro lado, o uso da glutamina como agente farmacológico em terapia nutricional tem sido abordado intensamente na literatura recente; a glutamina é um aminoácido de importância fundamental para muitas funções homeostáticas e funcionamento de inúmeros tecidos do corpo, particularmente o sistema imunológico. A glutamina tem recebido atenção especial por ser o aminoácido mais abundante no plasma, e, apesar de ser considerado um aminoácido não essencial, a glutamina é um nutriente indispensável nos estados catabólicos (como infecção, cirurgia, trauma, queimadura e imunossupressão) tornando-se condicionalmente essencial. Nestas situações, passam a ocorrer alterações no fluxo dos aminoácidos entre os órgãos, levando a queda nos níveis plasmáticos de glutamina. A glutamina é o combustível principal para os enterócitos (células da mucosa intestinal) e tem importante função na manutenção da estrutura e função intestinal. Além do mais, a suplementação com glutamina tem provado ser benéfica às funções do sistema imunológico, melhora do balanço nitrogenado e dos parâmetros nutricionais no período pós-operatório e reduz as perdas protéicas nos estado catabólicos graves. Por estas razões, as dietas enriquecidas com glutamina devem ser consideradas no suporte nutricional de várias doenças. A nutrição enteral (alimentação por sonda) e parenteral (via endovenosa) tem sido sugerida no tratamento desses pacientes.

Um estudo publicado no jornal do American College of Sports Medicine constatou que o exercício, quando praticado com regularidade e num ritmo agradável, diminui as chances da pessoa pegar infecções. Porém exagerar causa o efeito contrário. Os atletas que treinam de maneira árdua (bodybuilding) estão mais suscetíveis a gripes e problemas respiratórios. A explicação para essa aparente incoerência está na queda dos níveis de glutamina no sangue, que é excessivamente consumida durante os treinamentos. É exatamente ela, a responsável pela alimentação dos leucócitos. A queda dos estoques de glicogênio intramuscular está associada a quedas nas concentrações muscular e plasmática da glutamina, aminoácido essencial para os leucócitos desempenharem suas funções de destruição de bactérias e vírus. Por este motivo é que se diz que em overtraining o sistema imunológico fica debilitado. A solução para esses esportista profissionais que treinam pesado é a suplementação de glutamina, diminuindo assim as chances de se debilitar.


POR QUE DEVEREI USAR GLUTAMINA ?

Como é o objetivo de muitos suplementos que hoje estão no auge, incluindo Creatina monoidratada e HMB, Glutamina é usada na tentativa de aumentar os níveis de força, acentuar ganhos na dimensão e força muscular e prevenir avaria no tecido muscular, que pode ocorrer logo após exercícios árduos. Suplementando a dieta com Glutamina os atletas de musculação estarão capacitados para evitar lesões no tecido muscular e promover a “volumização” da célula (aumento do volume celular). Quando o suprimento de glutamina é insuficiente o tecido muscular é o primeiro a ser sacrificado. Desta maneira o tecido muscular que foi destruído deixará o músculo “achatado”, com menos força e em condição muito desfavorável para o seu crescimento. Contudo, quando o suprimento de glutamina é abundante, ocorre o oposto. Altos níveis de glutamina no músculo e de outros “volumizadores’’ (que provoca aumento) de célula, como Taurina, podem levar ao metabolismo da proteína e à ‘’volumização’’ da célula. A ‘’volumização’’ da célula é um processo pelo qual as moléculas de água são atraídas (puxadas) para dentro de célula do músculo, ajudando-a a ter o aspecto de “cheia’’ ou mais “bombeada” e desse modo criar as condições necessárias para o crescimento do músculo.

QUE PESQUISAS FORAM REALIZADAS SOBRE GLUTAMINA ?
Estudos científicos recentes sobre Glutamina e sobre o aminoácido Taurina mostraram que glutamina pode melhorar o metabolismo da proteína e minimizar a avaria do tecido muscular em pessoas que sofrem da estafa metabólica severa. Além do mais, o suplemento de glutamina mostrou também aumentar a “volumização” da célula. Outro estudo recente verificou que consumindo tanto quanto 2 gm da forma livre Glutamina pode causar um aumento de até 400% nos níveis do hormônio do crescimento (GH).

COMO DEVEREI TOMAR GLUTAMINA ?
Por enquanto não existe um guia definindo a quantidade de Glutamina a ser tomada. Suplementando sua dieta com 2 a 6 gramas por dia pode haver significantes efeitos sobre o metabolismo da proteína e ‘’volumização” (aumento do volume) da célula. Semelhante a Creatina, Glutamina parece ter um “período de carga” (ou saturação) pelo qual tomando altas doses deste aminoácido, algumas vezes tão altas quanto 10 a 15 gramas por dia, pode causar um rápido aumento na “volumização” da célula e resistência muscular levando assim a um excelente ganho de músculo.

QUAIS OS EFEITOS COLATERAIS DA GLUTAMINA ?
Até o momento nenhum efeito colateral conhecido foi relatado pelo uso da forma livre Glutamina. Glutamina é um aminoácido natural produzido por nossos corpos e é acreditado ser seguro.

DEVEREI ALTERNAR (CICLAR) O USO DE GLUTAMINA ?
Glutamina é produzida naturalmente por nossos corpos sobre uma base diária. Quando nós executamos intensos e rigorosos exercícios o estoque natural de Glutamina pode ficar comprometido o que pode levar avaria ao músculo. Portanto, não é necessário alternar Glutamina porque os baixos níveis de Glutamina em nossos corpos pode levar ao enfraquecimento do metabolismo da proteína e avaria do tecido. Muitos fabricantes incluem Glutamina em seus alimentos, substituindo pós e outros produtos, para ajudar a aumentar a entrada (ingestão) de glutamina.

Retirado do Site da EAS e www.VitaBrasilnet.com.br
avatar
slimbullet

Mensagens : 80
Data de inscrição : 26/11/2009
Idade : 38
Localização : Povoa de Varzim

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Glutamina - Tópico Informativo!

Mensagem  ajgod em Dom Jun 06, 2010 2:43 pm

Tem fase de carga? quanto tempo e quantas gramas?

Outra coisa;
Já li sobre a glutamina em vários sítios e alguns dizem 15gr por dia (5g pré, 5g pós-treino, 5g antes de deitar), noutros sítios li 5gr por dia study
avatar
ajgod

Mensagens : 92
Data de inscrição : 14/01/2010
Idade : 27
Localização : Fafe/Braga

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Glutamina - Tópico Informativo!

Mensagem  Colossus em Dom Jun 06, 2010 5:00 pm

ajgod escreveu:Tem fase de carga? quanto tempo e quantas gramas?

Outra coisa;
Já li sobre a glutamina em vários sítios e alguns dizem 15gr por dia (5g pré, 5g pós-treino, 5g antes de deitar), noutros sítios li 5gr por dia study

Considero que o artigo é demasiado tendencioso, no sentido de "apoiar" o consumo de glutamina. Na minha modesta opinião, é um suplemento perfeitamente dispensável. Para alem disso, a glutamina já se encontra presente nas fontes de proteína, carne, ovos, queijo, whey, etc

Antes de te decidires a tomar, procura os estudos que comprovem a sua eficácia, e se encontrares, posta por cá sff. Wink

Cumprimentos!

_________________
"Eat for nutrition and food value. Emphasize natural foods, avoid processed foods and eliminate junk entirely." - Vince Gironda ...
avatar
Colossus
Admin

Mensagens : 904
Data de inscrição : 16/11/2009
Idade : 35
Localização : Planeta Terra!

Ver perfil do usuário http://fisioculturismo.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Glutamina - Tópico Informativo!

Mensagem  ajgod em Ter Jun 08, 2010 5:54 pm

O que é a glutamina?
Sabemos que as proteínas são constituídas por aminoácidos. E que as melhores fontes de proteínas contêm as percentagens mais elevadas de aminoácidos essenciais. Lembre-se de que os aminoácidos essenciais são aqueles que precisa de obter a partir da alimentação. A glutamina, porém, é considerada "um aminoácido condicionalmente essencial". O que será que isto quer dizer, pergunta você.
Curiosamente, a glutamina (não os hidratos de carbono nem as gorduras) é a fonte de energia preferida das células de divisão rápida, como são os enterócitos (células intestinais) e os linfócitos (um tipo de glóbulos brancos que se encontram no sangue). Além disso, este aminoácido desempenha uma função no equilíbrio ácido-base, como transportador de azoto e um precursor de importantes macro-molécula (por exemplo: proteínas, ácidos nucleicos). Sob determinadas situações (stress catabólico, nomeadamente), a glutamina pode ser necessária como parte importante da nossa dieta; daí o termo "aminoácido essencial condicional".
A glutamina perfaz cerca de 61 por cento dos aminoácidos que formam a nossa musculatura esquelética. A perda de glutamina muscular pode ser um sinal de catabolismo muscular. Por isso, é fundamental que se mantenham as suas reservas, a nível intramuscular.

A glutamina afecta o sistema imunitário?
Apesar das pesquisas realizadas nesta área, permanece ainda alguma confusão. Foi demonstrado que o exercício físico intenso provoca uma queda nos níveis sanguíneos de glutamina. Recorde-se que a glutamina é usada pelas células do sistema imunitário.
Teoricamente, faria sentido dizer que níveis baixos de glutamina têm um impacto negativo na resposta imunitária. Agora, um estudo recente revela que a suplementação com glutamina não tem efeitos sobre o metabolismo dos linfócitos de ratos "exercitados".
Divergências à parte, eis por que parece válida a suplementação com este aminoácido para ajudar o sistema imunitário. Per si, parece não influenciar, o que se deve ao facto de o sistema imunitário estar provavelmente a "roubar" glutamina de todas as partes da nossa musculatura esquelética. Pensando bem, o que pesa mais na sobrevivência do corpo: ter grandes músculos ou um sistema imunitário saudável? Sei que pode soar a blasfémia para os culturistas, mas deve ser óbvio que a preservação da função imunitária é mais importante.
Portanto, precisamos de ingerir glutamina para evitar que o sistema imunitário utilize as reservas deste aminoácido dos nossos músculos, protegendo, desta forma, a massa muscular.

Glutamina: como aumenta a massa muscular?
A capacidade para preservar a massa músculo-esquelética em situações de stress é talvez a sua qualidade mais conhecida. Por exemplo, após uma cirurgia como a colocação de uma prótese da cabeça do fémur, a suplementação com glutamina numa nutrição parenteral (intravenosa) atenua a perda de aminoácidos livres do músculo-esquelético. Existem estudos científicos que demonstram que a manutenção de níveis elevados de glutamina intramuscular é essencial para prevenir a degeneração dos músculos.
A nível molecular, a glutamina parece exercer os seus efeitos ao prevenir a perda de uma proteína específica chamada miosina de cadeia pesada (MHC). A MCH é a proteína do músculo-esquelético que determina as suas propriedades contrácteis. Após uma grande cirurgia, o stress que o corpo experimenta é tremendo. Mas um treino intenso de resistência também expõe o organismo a um enorme stress.
É provável que os mesmos princípios fisiológicos se apliquem nestas duas perturbações físicas. Por isso, em ambos os casos, será prudente recorrer à suplementação com glutamina de forma a prevenir uma potencial perda de proteína muscular.

A glutamina afecta o metabolismo do açúcar?
O efeito da glutamina no metabolismo da glucose (açúcar) não tem recebido muita atenção do mundo do culturismo. E na verdade, um estudo muito recente da universidade de Rochester demonstrou a importância da glutamina como reguladora da gluconeogétiese (formação de glucose). A investigação descobriu que a infusão de glutamina em seres humanos, resultava numa conversão de glutamina em glucose. Este processo ocorreu sem qualquer alteração da insulina ou do glucagon, as principais hormonas reguladoras da glucose. A conversão de glutamina em glucose aconteceu provavelmente nos rins e não no fígado que é o regulador primário da produção de glucose.
Então, como é que isto afecta os praticantes de culturismo? A glutarnina pode influenciar, por exemplo, a perda de gordura que um culturista pode atingir em pré-competição. Siga o raciocínio. Parte da dificuldade em conseguir-se baixar significativamente os níveis de gordura corporal através da dieta está relacionada com as hormonas reguladoras da glucose, a insulina e o glucagon. Geralmente, pretende-se minimizar os níveis de insulina segregada de forma a inibir o depósito de gordura nas células adiposas. Mas a verdade é que a ingestão reduzida de glucose ou de hidratos de carbono pode resultar na proteólise (degradação de proteínas) muscular pois, corno se sabe, a glucose tem um efeito "protectoror" sobre a proteína. Dai a importância da glutamina. Ela pode converter-se em glucose. O que é uma boa notícia para o cérebro, para o qual a glucose pode contribuir como fonte de energia (para que não nos sintamos tão irritáveis), podendo também ajudar a preservar massa muscular. Para além disso, dado que a conversão de glutamina em glucose não resulta num aumento dos níveis de insulina, não se obterá o efeito lipogénico que a insulina produz.
Portanto, se estiver a fazer uma dieta com o objectivo de eliminar gordura corporal para tentar atingir níveis de definição muscular normalmente observados no culturismo de competição, poderá ser sensato investir numa boa dose de glutamina.

A glutamina ajuda a regular o peso corporal?
Sim! Num estudo em que ratos foram alimentados à base de uma dieta rica em gordura, ficou demonstrado que a suplementação com glutamina afectou a quantidade de gordura que estes pequenos animais ganharam.
Nesta investigação, quer uma suplementação com glutamina, quer com alanina, numa dieta rica em gorduras resultou num baixo ganho de peso corporal quando comparada com uma dieta só rica em gordura. Estas dietas eram constituídas por cerca de 45 por cento, de gordura, 36 por cento de hidratos de carbono e o restante em proteína. Refira-se que esta percentagem de gordura é semelhante à consumida por muitos americanos com excesso de peso. A glutamina, por si só, também baixou os níveis de glucose e de insulina no sangue destes ratos consumidores de gordura.
Tratam-se de descobertas que podem ser importantes para quem tenha predisposição para a obesidade ou diabetes.
Seria útil experimentar glutamina em diabéticos para determinar se a regulação da glucose sanguínea é estimulada e examinar se este versátil aminoácido pode controlar o peso corporal em indivíduos com excesso de gordura.
Dados os estudos que têm demonstrado a segurança de doses elevadas de glutamina, é possível que investigações futuras proporcionem mais suporte científico ao uso da glutamina no combate à diabetes e obesidade.

Revista Performance

@ Fonte


Última edição por ajgod em Ter Jun 08, 2010 5:59 pm, editado 1 vez(es)
avatar
ajgod

Mensagens : 92
Data de inscrição : 14/01/2010
Idade : 27
Localização : Fafe/Braga

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Glutamina - Tópico Informativo!

Mensagem  ajgod em Ter Jun 08, 2010 5:58 pm

Veja no slide 27 a conclusão da ANVISA sobre a glutamina.


Finalidade Proposta = Reforço do sistema imunológico (medicamento)

Evidência Científica = Estudos não são conclusivos


http://www.anvisa.gov.br/ALIMENTOS/aulas/cp60_2008.pdf


e mais essa,


"Atualmente, não existe evidência científica suficiente demonstrando que a glutamina altere a função imune e previne lesões em atletas saudáveis que consomem níveis adequados de proteínas, o que torna sua suplementação necessária apenas em casos em que a avaliação individual assim indicar."


Página 8 em considerações especiais.


http://www.scielo.br/pdf/rbme/v15n3s0/v15n3s0a01.pdf

@ Fonte
avatar
ajgod

Mensagens : 92
Data de inscrição : 14/01/2010
Idade : 27
Localização : Fafe/Braga

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Glutamina - Tópico Informativo!

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum